"O ar que eu não seguro", 2022
Ateliê Alê, São Paulo
Catarse é um termo geralmente utilizado para definir um processo de limpeza ou libertação psíquica. Da mesma forma, “O ar que eu não seguro”, título da mostra individual de Julia Pereira no Ateliê Alê, reflete a necessidade do corpo em dar vazão àquilo que precisa ser liberado, assim como o ar ao qual respiramos e necessita ser exalado depois de cumprir sua função vital de oxigenação. Ao todo, são mais de dez trabalhos inéditos, entre pinturas, desenhos, fotografias e vídeo, onde a artista resgata e traduz momentos pessoais a partir de sua memória afetiva.
A pintura é o principal suporte da pesquisa de Julia Pereira, que parte das imagens das suas experiências para atribuir formas e cores. A lembrança e o despertar do sentimento funcionam como gatilhos para as reações psíquicas e corporais – transpiração, palpitação, respiração ofegante, etc – e atravessam o processo de criação, agindo como catalisadores para o registro na tela. O esvaziamento dessa energia chega acompanhado da obra finalizada. Dessa forma, a experiência do passado se une à ação do presente para permanecer eternizada através das pinceladas frenéticas e cores fortes, em composições que beiram a abstração. Assim como as pinturas, tanto as fotografias quanto o vídeo apresentado na mostra apresentam paleta de cores similares e refletem momentos e estado de espírito da artista.

Ateliê Alê
Julia Pereira – “O ar que não seguro”
Abertura: 5 de fevereiro, das 14h às 20h
Visitação: até 25 de fevereiro
Endereço: Rua Califórnia, 706. Brooklin. São Paulo
Mais informações: Ateliê Alê – 11. 2548-8508